domingo, 13 de fevereiro de 2011

56 - Convívio de 12.02.2011

Dia primaveril convidativo para os Melros sacudirem asas e voarem até ao Choupal. Foi o que fiz, deliciando-me com o sol quentinho, o verde e as árvores em flor na Conduta. Embora para o alto de Fanzeres a célebre neblina matinal ainda estivesse presente.
O metro já funciona, menos uma desculpa para os preguiçosos que acham a Tabanca dos Melros longe. Penso eu de que...
Pela Rua de Cabanas é um prazer olhar a verdura.
E o Rio Torto encanado passeando por ali.
A entrada do Choupal ainda com os estragos da Invernia, precisa de ser recuperada.
O pessoal parece que não gosta do ar livre, ou fui eu que cheguei atrasado para os apanhar ao sol. Mas no Bar também se está bem.
Foi bom ver o S.O. de regresso ao convívio, parece que já em boa forma, em amena conversa com o Cibrão, talvez recordando os velhos tempos do sul da Guiné. À esquerda, o Quim Soares ouve atentamente o Quelhas pormenorisando a sua última operação. Agora não foi precisa a F.A. mas sim o bisturi do cirurgião. Tem paciência, Neca, mas para a próxima já podes beber o teu copito.
Na sala de operações um breefing final.
E vamos a eles, que se faz tarde.
Bom ver de novo também o João Mesquita, atacando a "punheta" - que estava um delícia - com o resto do pessoal na expectativa aguardando o momento de intervir.Cá está a bela Punheta de Bacalhau, acompanhada por grão-de-bico.

Repartindo conversas, enquanto se aguarda o remédio para o colesterol.

Dois brincalhões que queriam uma foto artística para recordação.
Deambulando pelo Choupal, sempre se encontram algumas relíquias ainda desconhecidas.
Passando a assuntos sérios:
1. O Gil avisou que o próximo custa mais "5 croas".
2. O dia 5 de Março é dedicado Aos Heróis do Ultramar, em homenagem aos nossos camaradas mortos. Assim, ficou resolvido que o almoço-convívio será nesse dia.
3. Das comemorações, fazem parte: Missa às 11 horas na Igreja Matriz de Fânzeres, seguindo-se depois em romagem até ao Monumento.
4. Aos camaradas lesionados desejo-lhes rápida recuperação. Em especial ao Carlos Costa, cuja voz se tem feito sentir a sua falta.
5. Peço aos camaradas e autarcas que se entendam sobre a formação da Comissão. Para que as memórias do Ultramar, principalmente de quem lá deixou a vida, não se percam.
Adeus, até ao meu regresso.
Um abraço do
Jorge Portojo









2 comentários:

  1. Caro Jorge

    Leio sempre com muita curiosidade e atenção a informação/relato acerca dos convívios da malta da Tabanca dos Melros. É uma maneira de reviver tempos idos nos nos marcaram a todos. Ainda bem que os que por cá continuam voltam à guerra, agora de maneira saudavel.
    É provável que eu este mês vá participar no almoço/convívio organizado pela Tabanca do Centro.
    Não gosto nem do termo nem do conceito "Heróis do Ultramar". Quem são ou foram os heróis?. Os mais de oitocentos mil que estiveram na guerra? Os que morreram ? Os que ficaram feridos? Os que foram louvados ou medalhados? Os que passaram fome? Os que apanharam doenças?Os profissionais que faziam da guerra o seu modo de vida?Os que meteram cunhas e não foram para o mato (no caso da Guiné, os que passaram o tempo na "5ª Repartição"?Os que pagavam para tirar o cabaço às bajudas? Os que faziam cintos de orelhas cortadas aos "turras"? Os que mataram populações indefesas, como o caso bastante falado ocorrido em Moçambique em 1970? E na Guiné, alguns - sublinho apenas alguns - dos que foram condecorados com a Torre e Espada que não passaram de assassinos? Os que ainda por lá permanecem enterrados e abandonados pelo Estado Português?
    Ora, por me parecer que o conceito de "Heróis do Ultramar" se tratar de um saco sem fundo, não alinho muito por esse diapasão, não obstante respeitar as opiniões de outros.
    Creio, todavia, que no essencial nos une o facto de por lá termos andado - na guerra - e as solidariedades que, ainda hoje, mantemos.
    Manda sempre.
    Um grande abraço
    MRibeiro

    ResponderEliminar
  2. Esta punheta de bacalhau sempre me atrai e me deixa de água na boca.
    Alguém pode me ajudar a matar este desejo....rsrssrrrsss...
    Tirando as comidas ,deixo meus parabéns a quem fez tão belas fotos.
    O convívio parece cada dia crescer mais e mais,eita união porreta,as imagens iniciais,me deixaram com vontade de conhecer o lugar ,um dia lá estarei.
    Parabéns pra todos em especial ao meu amigo Carlos Silva e o Jorge Portojo.

    ResponderEliminar