quarta-feira, 17 de abril de 2013

98 - Dia de Primavera no Ninho, que foi a 13 de Abril

São Pedro mandou as suas águas para outros lados e deu-nos um belo dia para o Convívio mensal.
Embora com muitos Melros ausentes, o Ninho encheu. Não tivemos o "miserabilista" discurso que ninguém ouve, nem boas vindas aos novos Melros, porque o nosso Carlos esteve ausente.
O escrivão oficial, chamado "de eu mesmo", só soube por linhas travessas da ausência do dito, porque se não havia preparação de discurso à maneira.
Mas discurso mesmo é para Chefe de Tabanca e o resto são bolas fora.  
É bonito de se ver e sentir o nosso Ninho na Primavera.Verduras e Alfazemas que deleitam o olhar.
Isto é o poeta a falar - eu mesmo, o escrivão - que de verduras só conhece as que pairam sobre um prato. Mas que é bonito o intróito, não tenham dúvidas.
Então siga a reportagem, verdadeiramente dita, começando pelo acervo do Museu.
Há livros que podem levar para casa, camaradas, e lerem no sossego do lar.
Então entramos na parte importante, que é a comesaina. Ainda o Paulo não tinha feito a mesa e já a lateirada entrava nos comes.


A Punheta (de Bacalhau) só foi requisitada depois da foto. Mas com muitas reticências. O pessoal parece que não gosta do bico. Do grão, claro.
 Ó'pa eles, parece que está quente...
Chegado ao ponto, o escrivão - eu mesmo -  aviou umas garfadas de orelheira em vinagrete, uma delícia mesmo para quem tem dificuldades com o "corta palha". Ah e também umas "chamuças" picantes foram à vida. Empurradas por uma loirinha deliciosa, tirada à maneira pelo Chef Gil.
Mas é de ar e sol que o meu povo precisa.
Enquanto a rapaziada se entretinha nos tira-gosto, como dizem os nossos camaradas de além-mar, passear com a loirinha e ver como está o nosso Ninho neste início de Primavera é um prazer.
Depois de encher o peito de ar puro, é uma delícia ver a rapaziada já toda alapada à espera do seguinte.
 Saber aguentar é uma arte.
 Mas uma sopinha de legumes dourada cai que é uma beleza. Para quem gostar, claro.
A hora da sopa nunca mais acaba
 Mas até para apreciar sopa há mestres. E que o sabe fazer com todos os requintes.
 Intervalo entre umas e outras.
 Aguenta, camarada, que já vêm reforços...
 Demora a evacuação dos pratos da sopa, mas depois é rapidinho. Desta vais escapar.
 Para passar o tempo, sai mais uma de Museu.
 O Carlos é que já não aguenta mesmo. Mas prontos, pá, isso passa, não doi nada. Já vêm os reforços.
E chegaram mesmo, em forma de barriga de vacuum, assada nas horas precisas, com batatinhas e legumes. Até couvinhas de bruxelas vieram na maca. Quer dizer, na Travessa. Para ajudar na degostição. (Porra, já mudei várias vezes a forma de escrever este palavrão e sai sempre sublinhado de erro. Ó Carlos quando puderes põem a dicionário à maneira da gente se entender.) Só quero dizer que era bonita a travessa para a foto.
Um Bando Travestido de Melros, olhando um copo de água.
Estou farto de relatar. Acabei, prontos.
Não posso acabar. O querido amigo Neca das meiguices lu-náticas (lembras da Ribeira e da Lua, Neca), grande noite depois do Choupal, com Polícia e tudo. És o maior Neca.
Um grande MELRO, este Neca. Tem direito a tudo. Mas explica aí camarada, comias com um papel na mão ? Era um discurso ? 
 Chegaram os momentos íntimos. Cada um ao seu. Lembram-se das nossas brincadeiras de chavalos do bate-fica ??? Pois é assim a nossa Tabanca depois do enfardar.




 Chegou a hora...
 Este Famous Grouse é outro. E o camarada Bateira trás escondido para enganar os Melros. O Quim é que vai logo ao cheiro de outra coisa...Periquito...
 Olhem só, Pestes Grisalhas. Mas com muito prazer, não é rapaziada ?
Se bem me lembro, aqui a converseta era outra...
Os finalmentes. Ainda cabe mais um bocadinho do Bolo da Teixeira de Lamego que o camarada Jaquim trouxe para a rapaziada. Seco como cornos, mas o sr Presidente J-Teix./45-Bandalho, avia para não sobrar.


 Vai no ir ó Pessoal... Ninguém arreda.



 Dentro e fora...
 A sala depois da operação
Os restos do dia. Já chega da minha paciência. Adeus até ao meu regresso.
Mas que bom é estar no Choupal dos Melros. O resto é papagaiada, como diz o amigo e camarada Carlos Costa
O Indiano...