quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

133 - Mensagem do David Guimarães

Tabanqueiro desde a primeira hora nos Melros, o nosso querido David Guimarães faz questão de nos deixar a sua mensagem de fim de ano. Devemos fazer uma emenda, pois é desde 2009 que convivemos e foi dele uma das primeiras mensagens. Embora em 2012 também fizesse o gosto ao dedo e não foi a tocar só a viola.

Um abraço ao David e muita saúde.


Pois é, de 2012 até hoje lá consegui viver dentro daquela tabanca onde me sinto bem! Curiosamente é isso mesmo, local onde me sinto bem e não por estar só, mas pela cordialidade de todos, a atenção de todos e afinal pela amizade que vamos nutrindo uns pelos outros e que vai fazendo em cada 2º Sábado de cada mês uma festa. 

Aqui atrás, porque calhou – disse para o lado, porra que hoje está pouca gente: “a resposta foi, poucos mas bons” e são. 

Temos vivido e revivido aquilo e continuamos felizes, e quando acontece faltar algum, como que todos damos conta perguntando por quem falta. Faz sentido, somos preocupados uns com os outros – como na guerra teríamos que ser solidários por forma, aqui é por feitio solidário de que partilha a franca amizade. Uns mais altos outros mais baixos mais gordos ou mais magros mas aí estamos nós. 

Não é preciso chorar mas sempre nos lembramos de quem mais não pode voltar, e já se fala em plural. 

No passar dos tempos descobrimos um banco, nobre banco onde nos habituamos a tomar a primeira cerveja – abre apetite ou só porque gostamos. Jorge, decerto é para mesmo escondermos a “fomita” – mas se não se beber, já não é a mesma coisa.

E pronto então fico-me mais agora neste encontro de Natal, nem sei se o rancho foi melhorado – que estava bom estava, mas por norma está sempre. Foi um magnífico dia, celebramos o Natal. Falámos, falámos muito, ainda bem que falámos só que fotografia aqui fotografia acolá lá num canto onde eu estava mais parecia um centro de recrutamento e quase me convenciam que eu não era militar do Regimento da Artilharia Pesada nº 2 sito em Vila Nova de Gaia… para o mês que vem tenho que levar o documento que diz isso: Colocado no RAP2 em 13 de Outubro de 1969. Assim o título hoje poderia ser assim: David Guimarães militar do RAP 2 - como se fosse muito importante!

E sempre a animação termina com o "finalizar" de uma garrafa de líquido esquisito mas que deve ser bom - depois dissemos até ao mês que vem…

Quer dizer já somos melros vacinados – um abraço a todos.

Agora vamos ver se combinamos uma comemoração qualquer para outra festa que não de Natal - quem sabe seja fado! Vamos começar a pensar nisso.
Com um abraço a todos os Melros com um bem hajam, vosso amigo sempre e melro.

Até ao mês que vem

David Guimarães




terça-feira, 15 de dezembro de 2015

132 - Os Melros em Bando

Foi o último convívio-almoço do ano e foi pena uns tantos Melros que apadrinharam a iniciativa do Carlos Silva e do Barbosa não pudessem estar presentes.
Para o Joaquim Martins um pensamento de muita saudade.

O Choupal dos Melros, sempre lindo em qualquer altura do ano acolhe-nos desde há precisamente seis anos. Dele roubamos o nome para esta Tabanca, derivando para ECU's - Ex-Combatentes-do-Ultramar de Gondomar.
A história dos Melros de Gondomar é pequena em idade, mas os conviventes vêm de vários pontos do País.
E como sempre vêm chegando em pequenos ou grandes Bandos bem cedo para uma amena cavaqueira.
Há tradições que se cumprem mês após mês e a música é sempre a mesma:
 Loirinhas para a Mesa da Pedra.
O resto é o registo fotográfico dos Melros.










 Uma espécie de Marabunta passou pelas Entradas e nada mais resta.






É a hora da reunião à volta da Grande Mesa 





 Os nossos símbolos




O Grande Guerreiro Neca Quelhas deve estar de baixa prolongada mas nunca é esquecido.
 Mestre Gil apresentou-nos uma Chanfana que até fez estremecer o céu da boca de tão tenra e deliciosa.
Algumas cremalheiras nem precisaram de trabalhar. Vocês sabem do que falo...
 Como é de hábito, o Rancho Regional de Fânzeres veio cantar-nos as Janeiras.

E assim vamos convivendo, com muitas fotos para a posteridade.
O grande "Mordomo" Paulo, profissional para todos os momentos.  
 Momentos de boa disposição...
 Espremidos até à última gota...

 Foi também um dia de Grandes Condecorações.


 Hora de despedidas e até ao ano.


 Prémios que Mestre Gil foi ganhando ao longo da carreira.

Mas ser Melro também implica obrigações. Uma delas é fazer contas.
Um obrigado ao Gil por nos aturar.

Que a vida nos corra antes de corrermos com ela.
Até ao Ano