domingo, 13 de março de 2016

134 - Dia do Sável e da Lampreia no Choupal

O Mestre e nosso Camarada Gil quis fazer uma surpresa apresentando-nos uns miminhos. Mas são coisas a que já  ninguém liga, tão habituados que estamos aos seus miminhos.
Bom, para o caso não interessa nada. Para este simples escriturário, interessa sim.
Miminhos à parte, o certo certo é que havia outros miminhos e prontos, já lá vamos.
Venha a reportagem fotográfica:
Para que os créditos não fiquem por mãos alheias, o Portojo e o David atacam as loirinhas da ordem na mesa da Pedra Filosofal.
Conversas são partilhadas durante aquela hora em que entre isto e aquilo lá estamos.
Chegam o Bateira, o Doutor e um novo camarada que ninguém apresentou. Sempre se espera que alguém leia esta geringonça (olha, isto da geringonça é um termo em moda criado pelo Paulinho das Feiras, que salvo seja até deveria andar por aqui próximo a avanar-se...) para deixar uma palavrinha  de conhecimento (re)
Parecemos um bando de Melros a apanhar sol na eira do Choupal.
Do alto da janela, o Paulo diz-nos "Entradaus Prontuas" .
E prontos, lá vamos a correr atrás do David que provavelmente vai encher de loirinha o copus vazius.
 Siga mundis
Preparando a mesa dos finalmentes. Há desconhecedores que as Entraduas estão do outro lado. 
Na transição, passagem pelo BarUnus.
E cá estão eles, os verdadeiros tira-gosto: Orelha de porco au bonus delicias com salsinha; Moelas com trofu escurinho e pouco picante; Patanisca simplex; salgadinhos estaladiços e croquantes; Morcela sanguínia avec trois piments grelhadus fixe.
E os sempre altíssimos presunto e salpicão mais as singelas azeitonas ao alho e azeite e a divina broa de farinhas mistas.
Pomadas verdadeiras da Quinta a acompanhar: Brancas, tintas e as outras.
O Jorge Peixoto preparando-se para mais uma prova enquanto o Dionísio sossegadamente, faz outras provas.
A rapaziada entretém-se por ali. Espaço e comidas e bebidas não faltam.

Pois é Bateira, o Grande Barbosa anda tão inchado que acha não dever apresentar os Camaradas (?) que nos trás.
Um saltinho à cozinha para ver como as coisas se fazem.
Tudo a rolar...E a lampreia apura em Banho-Maria.
 Ups, vamos ter almoço rijo...
 Postas de sável na tempura
 Chefe Paulo controla a situação. Tudo nos conformes, sem dúvida.
Saiu a Sopa de Nabos, galardoada em festivais gastronómicos Gondomarenses, a Terra dos Nabos e mai'nada.
Intervalo. Ó Barbosa, quem é o camarada que trouxeste ? 
Preparando a apresentação do Carrascão do Bateira.
 Ó pa ele, lindinho,  caté deixa marca na malguinha.
Cá tá a Sopa de Nabos. Ca té o escriturário de serviço comeu.
 Mais intervalos 
 O Chefe Paulo prepara-se para terminar às mesas a célebre Açorda de Ovas e Milharas de Sável.
E que tal uma Lampreia à Bordalesa ?
Para os diéticos, um lombo de boi assado no forno
 Intervalos entre umas coisas e outras.
 Acabou está acabado. Vamos aos restos
As frutas, o creme de leite torrado e o bolo de chocolate são o complemento de uma bela refeição.
 Cafés e bagaços, que podem ser do Bateira e/ou do Doutor. 
É a hora de chegar a barriga ao balcão. Com bom grado.
Final de dia e mais umas conversetas que nunca são demais.
Foi mais uma confraternização dos Melros - Ecus, na sua Tabanca de Gondomar, em Fânzeres.
Nem interessa se há camaradas de Gondomar. O que interessa são os copos que se bebem e as amizades que se perpetuam.