domingo, 13 de novembro de 2016

142 - S. Martinho e o Regresso dos Aviadores

Nem parecia que no sábado, 12, estávamos no Verão de S. Martinho. Tempo frio e cinzento e lá para a tardinha a chuva visitou-nos.
Mas estávamos à espera de um convívio com razoável número de presenças.
Pelo menos em relação aos convívios anteriores.
Saímos do frio e retirámo-nos para a Sala da Eira onde tomaríamos os aperitivos líquidos e degustaríamos as saborosas entradas.
A salamandra aquecia o ambiente e é um prazer olhar as coisas que só o Gil tem.
Silva, Barbosa, Dionísio e David aguardam pacientemente pelo toque da campainha.
O Melros vêm aos Bandos aproximando-se da mesa.
 O David sem companhia toma a sua loirinha
E chegaram as entradas.
Salpicão, salgadinhos diversos, pataniscas e morcela assada.
Fígado de Cebolada que desapareceu rapidamente e pezinhos de porco de coentrada.
Uma delícia.
O caldo de nabos já foi servido na sala grande, parte superior onde umas tochas ardiam na lareira.
Os Melros às voltas com as entradas.   


O Jorge Portojo entrega ao Paulo, Conservador do Museu, a última recordação da sua passagem de dois anos pela Guiné. O Barbosa, um dos responsáveis pela Tabanca dos Melros, assiste.
O Paulo coloca no placard o crachá que recorda o Pelotão de Canhões sem recuo 2054, com sede em Catió e secções por passagem no Cachil, Gandjola, Ilhéu de Infanda, Cufar. Maio de 68 a Abril de 70.
Em quanto esperamos o rancho, muito sortido em termos de ementa, vamos conversando e recordando.


À esquerda, vindo da Madeira, apresentou-se nos Melros o José Alberto Gonçalves que fez a sua comissão em Angola.
O Dionísio e o Zé Ferreira fartaram-se de conversar. Estará na calha mais uma história para o próximo livro do Zé Ferreira, Memórias Boas da Minha Guerra, vol. II
 Entretanto chegou o Caldo de Nabos
Depois da Cabidela, da Vitela e da dieta do Portojo e do Silva, seguiram-se umas castanhas assadas...
 e fritas também
Juntos com o Manuel Cibrão, o Guimarães, o Jorge e o Vilela a quem não víamos há muito tempo.
E os aviadores estiveram de regresso.

Silêncios e Conversas.


O Barbosa discursando sobre o tema da data do Almoço de Natal. Cumpriremos o nosso calendário, isto é, no segundo sábado de Dezembro que calha no dia 10.
O Barbosa não pode estar presente, mas paciência. O Jerónimo e a esposa parece estarem em conflito.
E são os finalmentes.
Isto é, sobraram muitos doces e fruta
Últimos pormenores entre o Zé Ferreira e o Dionísio ?
A apresentação do José Alberto Gonçalves
Fotos de uns certos Bandalhos que gostam de ficar sempre para últimos.
Para despedida, o Paulo arrancou esta bela imagem.
Lá fora chovia.
Despedimo-nos até 10 de Dezembro para o almoço de Natal.
Um abraço a todos os ex-combatentes

domingo, 9 de outubro de 2016

141 - Os Melros sem Gondomarenses

Longe vai o tempo em que a companhia dos Gondomarenses "puros" enchia o Choupal.
Mas o nosso convívio vai-se realizando e o importante é isso mesmo. Conviver seja onde for.
Entretanto o José Ferreira da Silva, mais conhecido por Zé Catió, fez o convite para nos encontrarmos no dia 14 no Quartel da Serra do Pilar onde vai apresentar o seu livro Memórias Boas da Minha Guerra. O Dionísio é um dos protagonistas destas Histórias.
Seguem algumas fotos do dia de ontem.
Um abraço a todos.