quinta-feira, 20 de julho de 2017

P149 - No passado dia 8 de Julho de 2017, na Quinta dos Choupos, "sede" da Tabanca dos Melros, foi apresentado o livro "Memórias Boas da Minha Guerra" - Volume II, da autoria do camarada José Ferreira.

No passado dia 8 de Julho de 2017, na Quinta dos Choupos, "sede" da Tabanca dos Melros, foi apresentado o livro "Memórias Boas da Minha Guerra" - Volume II, da autoria do camarada José Ferreira.

Cartaz anunciando o evento
© Luís Bateira

A sessão decorreu na Quinta dos Choupos onde habitualmente, nos segundos sábados de cada mês, se reúnem em almoço de confraternização os combatentes da Guiné do Concelho de Gondomar, adstritos à Tabanca dos Melros e ao Bando do Café Progresso.

No acto solene estiveram presentes: familiares, camaradas e amigos do Zé da CART, que assim se quiseram associar nesta hora de alegria.

A Mesa era coordenada por Alberto Moura, amigo do autor, e também nosso camarada de armas, que tinha à sua direita: Luís Graça, fundador e editor do Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné; Ricardo Figueiredo, Bandalho, que tem em andamento um projecto para a criação de um Museu da Guerra do Ultramar; Jorge Teixeira, Presidente do "Bando do Café Progresso, das Caldas à Guiné"; e José Ferreira, autor do livro "Memórias Boas da Minha Guerra, II Volume", que ia ser apresentado. À esquerda do coordenador sentavam-se: a representante da Chiado Editora, D. Teresa Mesquita; Carlos Silva em representação da anfitriã "Tabanca dos Melros"; e Carlos Vinhal, co-editor do Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné.

Alberto Moura, abrindo a sessão. 
© Dina Vinhal

Momento em que a representante da Chiado Editora, D. Teresa Mesquita, em breves palavras, se congratulava pela oportunidade da Editora publicar o segundo volume desta obra. 
© Carlos Silva

A apresentação do II Volume de "Memórias Boas da Minha Guerra" esteve a cargo de Luís Graça, que também prefaciou a obra, fundador e editor do Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Doutorado em Sociologia, não teve dificuldade em prender a assistência, dissertando sobre a facilidade com que o autor analisa pessoas e acontecimentos, encontrando em cada indivíduo ou na sociedade em que está integrado, matéria para passar a escrito, donde saem, conforme a apreciação do leitor, verdades ficcionadas ou ficção pura. 
As estórias de guerra, humoradas ou sérias, esplanadas na sua obra, são um modo diferente de contar o quotidiano de homens vivendo em ambiente de alta tensão e perigo constante. As do pós-guerra caracterizam pessoas, suas condições sociais e épocas. Nestes quase 50 anos após o seu regresso da Guiné, muito mudou na sociedade portuguesa, e isso reflecte-se também na sua escrita.  A linguagem utilizada, o vernáculo e o calão, mais não é que uma escrita honesta, sem disfarces para púdico ler, primeiro estranha-se, depois entranha-se.
Luís Graça sugeriu ao José Ferreira, a quem qualificou como homem muito vivido e experiente, que pense numa autobiografia, obra que reputa já de grande interesse e de êxito garantido.

Luís Graça durante a sua intervenção. 
© Dina Vinhal

Seguiu-se a intervenção do nosso camarada Ricardo Figueiredo, que na linha do orador anterior, salientou a qualidade da escrita do José Ferreira. Que o autor, a par de outros combatentes, deixa um legado, em dois livros, para que os vindouros saibam como foi o nosso tempo e a nossa experiência de guerra.

Ricardo Figueiredo no uso da palavra. 
© Dina Vinhal

Seguiu-se o momento mais humorado da sessão com a intervenção do "Bandalho" Jorge Teixeira, que falou dos livros do José Ferreira mais no sentido estético do que propriamente do conteúdo. Sabemos que esta intervenção só podia ter sido assim, vindo de alguém muito amigo.

Jorge Teixeira, Presidente dos "Bandalhos", tecendo as suas opiniões estéticas sobre o livro do José Ferreira. Não se esqueceu de elogiar as qualidades pessoais do autor, também ele um dos "Bandalhos". 
© Carlos Silva

Seguiu-se a intervenção do "Presidente" da Tabanca dos Melros, também ele elogiando as qualidades pessoais do autor e caracterizando a sua maneira muito própria de escrever. Em tom mais ligeiro, frisou que tendo já lido centenas de livros sobre a Guiné, ultimamente é a sua mulher quem os lê e lhe conta depois as partes mais importantes. Só nos faltava ouvir esta, nem todos temos uma leitora/narradora.

 Carlos Silva, na sua intervenção. 
© Dina Vinhal

O último orador convidado foi o co-editor do Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné, Carlos Vinhal, que falando por último, ficou sem assunto. Toda a gente já tinha dito bem do Zé Ferreira, tinham feito já a devida crítica literária à obra... mais isto e mais aquilo. Qual a saída? Entalar o Zé, e ler uma das suas estórias publicadas neste segundo volume. Escolheu e leu, contendo a muito custo o riso, "Morteiradas em Canquelifá". Foi outro momento divertido.

O ar divertido na Mesa não se deve aos dotes do orador mas do autor José Ferreira. 
© Dina Vinhal

...E por último falou o "bombo da festa", perdão, o autor José Ferreira. Visivelmente atrapalhado por estar a ser alvo de tantos elogios por parte dos seus amigos e pela presença dos seus familiares, onde pontuavam as 5 netas e o neto, uns maiores que outros, assim, uns mais atentos que outros, que não quiseram deixar de estar junto do avô, uma pessoa muito importante como estava ali patente.
Na sua genuína humildade, o Zé Ferreira agradeceu aos presentes e ao ausente Alberto Branquinho a quem deve o empurrão definitivo que o levou a este desafio de escrever estas suas Memórias. Agradeceu especialmente ao Luís Graça, fundador do Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné que o deu a conhecer ao mundo como o primeiro repositório das suas Memórias, agora transportas em dois livros. Agradeceu-lhe também a disponibilidade para se  deslocar expressamente de Lisboa para estar ali, e pelo prefácio neste segundo volume.

O autor José Ferreira durante a sua alocução. 
© Dina Vinhal

A sala estava repleta. No exterior havia algumas pessoas a assistir de pé. 
© Luís Bateira

Fotos da sessão de autógrafos:

Este Lobo não é mau apesar do ar aparentemente "ameaçador". 
© Carlos Silva

Silvério Lobo, só podia. Ou me ofereces o livro ou não escreverás mais nenhum. 
© Luís Bateira

 Uma leitora muito especial, uma das netinhas do autor. 
© Luís Bateira

José Barreto Pires parece ditar a dedicatória. 
© Carlos Silva

Ricardo Figueiredo. Venha o livro que o vinho já está no saco.
© António Tavares

Seguiu-se o habitual almoço/convívio

Texto, selecção, edição das fotos e legendagem: Carlos Vinhal

terça-feira, 16 de maio de 2017

P148 - Ainda o convívio de 13 de Maio de 2017, dia em que se homenageou Jorge Portojo

Porque do pão também vive o homem, ficam aqui algumas fotos do almoço/convívio do dia 13 de Maio, da Tabanca dos Melros, da autoria do nosso camarada Manuel Carmelita, a quem desde já deixámos o nosso obrigado.

O dia estava ameno e a malta conversava enquanto não vinham as entradas

Uma das mesas a ser alvo de ataque certeiro


Presenças femininas que dão um ar mais gracioso ao convívio. Da esquerda para a direita: Margarida, esposa do Joaquim Peixoto; Joaquina, esposa do Carmelita; Carminda, esposa do Cancela; Dina, esposa do Vinhal, Rosa, esposa do Barbosa, Germana, esposa do Carlos, e Marília, esposa do Angelino.





 Olha que dois (bons camaradas): Jotateix e José Manuel Cancela

 David Guimarães e o nosso escritor José Ferreira


O fotógrafo fotografado

 Camaradas Luís Bateira e Rui Vieira Coelho

 Um aspecto da sala

domingo, 14 de maio de 2017

P147 - Homenagem ao camarada Jorge Portojo, que foi editor deste Blogue, ontem dia 13 de Maio de 2017, na Tabanca dos Melros

Ontem, dia 13 de Maio de 2017, foi homenageado o camarada Jorge Portojo com o descerramento de uma placa evocativa da sua memória, colocada na Quinta dos Melros, sede e local onde se reúne mensalmente a Tabanca dos Melros

Jorge Portojo ontem homenageado pelos seus camaradas e amigos do Bando do Café Progresso e Tabanca dos Melros



O Dr. Rui Vieira Coelho no uso da palavra

O Presidente dos Bandalhos lembra o seu Secretário General


As leituras que foram a justa homenagem ao nosso camarada Jorge Portojo

Coube a Carlos Silva, da Tabanca dos Melros, e a Jorge Teixeira, do Bando do Café Progresso, o descerramento da placa evocativa da memória de Jorge Portojo


Destes dois homens, Luís Bateira e Dr. Rui Vieira Coelho que partiu a iniciativa da homenagem ao nosso malogrado camarada



Intervenções do Dr. Rui Vieira Coelho e do Presidente Bandalho, Jorge Teixeira
Vídeo da autoria de Carlos Silva

P146 - Vamos dar continuidade à publicação dos nossos convívios aqui no blogue

Meus Caros Melros e Amigos e Camaradas

Vamos dar continuidade à publicação dos nossos convívios aqui no blogue.

O  nosso amigo e camarada Carlos Vinhal passa no futuro a colaborar como autor e como tal a editar posts

Um abraço amigo
Carlos Silva

segunda-feira, 13 de março de 2017

P145 - Lampreia e Sável no Choupal

O repórter chegou muito atrasado e por isso a reportagem saiu incompleta. De qualquer maneira ficam algumas imagens do dia 11 e registos importantes.
Registem-se as presenças do David Guimarães que andou umas semanas ausente. Do Xico Allén, do João Santos e do Pimentel.
Novos tabanqueiros presentes: José Moreira e José Malhão. Um abraço para eles.  Foram e continuarão a ser bem vindos.
 Algumas imagens do almoço


 Sável e Açorda de mílharas
 Lampreia de cabidela
 O explícito Dionísio




 Dois professores conversam sobre História
Para mais tarde recordar:
Da esquerda para a direita: João Santos, David Guimarães, Zé Ferreira Catió, António Pimentel, Jorge Portojo (o infeliz repórter), Luís Bateira e Xico Allén.
Até Abril. Um abraço para todos os camaradas, estejam onde estiverem.