terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

P18 - Dia dos Combatentes de Gondomar




O dia 1 de Março foi considerado o Dia dos Combatentes de Gondomar

Homenagem aos Combatentes Gondomarenses Mortos na Guerra em África 1961-1974


Sábado 06 de Março de 2010


A Comissão Eventual tem a honra de convidar todos os cidadãos, quer sejam ou não gondomarenses, a participarem nas comemorações deste 2º Aniversário da implantação do Memorial em Homenagem aos Camaradas Combatentes Gondomarenses Mortos na Guerra em África 1961-1974

PROGRAMA

- 10H30 - Concentração junto da igreja de Fânzeres.
- 11H00 - Missa a celebrar em memória dos Combatentes Mortos na Guerra em África e de ex-combatentes posteriormente falecidos.
- Após a Missa segue-se a romagem ao Monumento “Aos Heróis de Ultramar”, inaugurado em 24 de Novembro de 1971, situado na Praceta Heróis de Ultramar, para prestar homenagem aos 83 combatentes que tombaram por PORTUGAL, constantes no Memorial, inaugurado em 01-3-2008.
- Esta Homenagem terá a presença de uma Guarda de Honra Militar e de outras entidades, representativas da Edilidade Gondomarense.

- A Homenagem tem o apoio da Câmara Municipal de Gondomar e da Junta de Freguesia da Vila de Fânzeres

- A Comissão, reitera assim o apelo para que todos compareçam em força, quer sejam ou não Gondomarenses para prestarem homenagem a estes filhos da nossa Terra.

Pela Comissão eventual:Mário Guimarães – Fânzeres – ex-combatente em Moçambique
António Pinto – Fânzeres - ex-combatente em Moçambique
Adelino Miranda – Jovim - ex-combatente em Moçambique
António Silva – Jovim - ex-combatente em Moçambique
Manuel Almeida – S. Pedro da Cova - ex-combatente em Moçambique

NOTA: No final das cerimónias, segue-se o almoço de confraternização pelas 13H00 [antecipado excepcionalmente uma semana face a estas comemorações em Homenagem aos nossos camaradas] na “Tabanca dos Melros” na Quinta dos Choupos – Restaurante Choupal dos Melros.

Quem estiver interessado em participar no almoço, deverá inscrever-se comunicando até ao dia 4/3 através dos números
Telef fixo: 22 489 06 22

P17 - Tarde de Fados na Tabanca

video
Uma obra do camarada David Guimarães

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

P16 - Foi uma reunião em grande no dia 13

Dia frio, mas de sol glorioso, fazendo antever, apesar do dia ser 13, uma "casa" cheia. Antes do meio dia já andavam por ali camaradas, deambulando pela Quinta do Choupal.Mas no largo da entrada é que se estava bem, não só para apanhar um pouco de sol, como também para rever os velhos camaradas que vinham chegando.
Às voltas pela Quinta, dá para imaginar como vai ser quando chegarem os dias mais quentes. Mas enquanto não chegam, lá dentro é que se está bem.
Uma olhadela às mesas até para abrir o apetite, embora fossem necessários para completar o quadro, uns enxertados do pós-almoço. Pois a comezaina começou com umas deliciosas entradas de presunto, lombo, isquinhas, morcela grelhada, bola de carne e já não me lembro de que mais. Uma excelente sopa de feijão vermelho, para aquecer e o prato forte foi bochecha de vitela, que se comia com colher à moda dos Açores, com o seu acompanhamento de grelos e batata palha. As sobremesas, para além da fruta, tinha o indispensável leite creme bem queimado e bolos de várias qualidades. Tinto e Branco, muito. Café para finalizar, acompanhado por uns digestivos, gentileza do Gil, que se passou dos carretos.
Nestas fotos do Manuel de Carmelita, pode-se ver que o pessoal já esqueceu a lição base de que tudo ao molho e fé em Deus pode ser perigoso. Mas não foi o caso.
Com a calma necessária, própria dos grandes eventos, o pessoal lá se juntava para conversar ou acabar uma travessa.
Aspectos da sala, bem preenchida. Devido ao crescimento da Tabanca, esta já é a terceira que utilizamos.
Mais pormenores e o Chefe da Tabanca bem feliz. De registar o aparecimento do simbólico soldado do Ultramar, pois claro, mais um da família Martins. E como filho de peixe sabe nadar, ao rapaz só lhe falta mesmo a inscrição nas fileiras.
Estava na hora do Fado. Quim Martins à guitarra e David Guimarães à viola, cujos instrumentos foram sendo substituídos, conforme fossem para acompanhar o José Castro, no Fado de Coimbra, ou os Martins, pai e filho, no Fado tradicional. De reconhecer a gentileza do Zé Castro e do Joaquim Martins ( filho, filho do Armando) que aceitaram o nosso convite, para nos deleitarem com a sua voz. O camarada da Tabanca do Centro, o Joaquim Mexia Alves, não foi esquecido e o seu fado Montemor de Praça Cheia, com dedicatória ao autor, foi cantado com emoção e valentia pelo Martins, o Joaquim. Grande ovação e parabéns ao Mexia.
Uma estória curiosa tem o Dionísio Cunha, o segundo a contar da esquerda. Lá nos idos de 67 do século passado, quando integrava a 3ª de Comandos, encontrando-se em Bissau, resolveu no seu oitavo mês de comissão, apanhar o primeiro barco e vir até à Metrópole cumprimentar a família. Claro que foi um desenfianço de todo o tamanho, que ninguém deu fé. Apanhado cá, lá teve de regressar pelo mesmo mar para lá, onde apanhou dois anos mais de comissão. Ofereceu-se voluntário para a cadeia, mas parece que não foi aceite. Ainda hei-de saber esta estória melhor.
O coronel Coutinho também apareceu e ofereceu o seu livro sobre a retirada de Guileje, ao futuro museu da Tabanca dos Melros, os ECUS. Fiel depositário, o Gil, pois claro, que nos dispensa uma sala para o efeito.
Este tema será tratado pelo Chefe da Tabanca, o Carlos Silva.
O nosso nóvel companheiro de armas, em descanso, espera que a família não se esqueça dele. Tão novinho e já tá como há-de ir.

Lamentamos que camaradas de outras guerras não tenham comparecido. Esta Tabanca é de todos os ECUS - Ex-Combatentes do Ultramar.
A Tabanca de Matosinhos esteve em força mais uma vez, demonstrando que a camaradagem e a amizade são o mais importante de tudo.
O régulo de Mampatá e Medas, a pretexto da reforma agrária, lá se vai desenfiando. Só que não é para a reforma agrária não, mas sim para Vila do Conde. Para que os regulados não o chateiem ao fim de semana. Pelo menos é o que se consta na caserna.
A próxima reunião será a 6 de Março, mas por motivo especial. Será a Homenagem aos Mortos da Guerra do Ultramar de Gondomar. Pena que se realize no mesmo dia da confraternização anual do pessoal de Matosinhos.
O Carlos Silva falará - escreverá - sobre o tema.
Até à próxima.
Um abraço para todos os ECUS

P15 - O Emboscado

O nosso camarada Armando Martins, deliciou a rapaziada cantando afadistadamente
O Emboscado, fado ouvido pelas matas e Bolanhas da Guiné, mas de quem se desconhece o original. Acompanhado pelo mano Quim Martins e pelo David Guimarães, aqui fica registado um momento da sua actuação.
O Armando agradecendo os aplausos da plateia, que reviveu na letra os tempos de outrora.
Aqui fica o poema, enviado pelo Armando à Tabanca.
O EMBOSCADO

Noutros tempos a macacada
Que havia no CTIG
P´ra nos correr à facada
Ao tiro e à morteirada
Formou o PAIGC

A história que vou contar
Contou-ma um camarada meu
Certa vez que foi atacar
O exército popular
Lá para as bandas do Cacheu

Vem de lá o Zé do caco
É tamanha a confusão
Cale-se lá seu macaco
Que se me abres mais um buraco
Eu chamo a aviação

Ante a admiração geral
Descobriu-se o emboscado
Era o Amílcar Cabral
Houve tiroteio geral
E depois cantou-se o fado

Isto era cantado por um camarada do BCP 12, desconheço o autor
Acho que havia mais uma quintilha, mas já não me lembro.

Abraço

A. Martins

P14 - David Guimarães escreve para a Tabanca

DIA 13
MANGA DE RONCO NA TABANCA DOS MELROS
Ontem, enfim - visita anunciada que eu tinha à Tabanca, que coisa - o chefe vinha lá e eu tinha que ir cumprimentá-lo... Desta feita fui para cumprir a rigor todos os passos que em uso há nas tabancas, chegar, conversar um pouco sentar e comer... ora como se diz por ai na informática caseira "LOL"... Tinham-me dito - olha que vai haver fado ... não sei bem como... mas pronto..
Camões disse "Numa mão a espada e n'outra a pena" - eu na guerra usava numa mão a espingarda e noutra uma granada defensiva se bem calhando. No aquartelamento era numa mão o cigarro e n'outra a viola... enfim... a espingarda contudo nunca andava muito longe mim...
MAS ONTEM SÁBADO - então meti no meu carro duas violas e um cavaquinho e parti rumo à Tabanca dos Melros, o outro "tabanqueiro" (Martins, o velho, o Quim) também tinha metido no carro dele duas guitarras...

Os belos e melodiosos instrumentos a que David se refere
O David à direita, o Martins "velho" ao centro e o Carmelita é o outro...
Antes de sentar e comer, comeram-se em pé...
...As tais entradas de luxo

VERIFIQUEI: a armadilha estava preparada... Uma família, tio, pai e filho e eu mais um douto cantor do fado de Coimbra eram a base... depois das apresentações logo fomos lubrificar (afinar) as nossas armas, guitarras e violas e fazer um leve ensaio, para a coisa não ficar feia...
O repasto teve umas entradas de luxo e logo nos sentamos a ouvir o grande e oportuno discurso do Chefe de Tabanca que tem queda para a oratória aliás muito comum de quem é Advogado... Depois desse discurso emocionado lá veio almoço que estava porreirinho... NÃO FOI PRECISO IR A AMOSTRA AO CHEFE, estava aprovado e o voto parece que foi unânime: tudo comeu bem... e pronto vamos para o ronco...
Duas cadeiras, Quim Martins à Guitarra e eu à viola e lá vai fado. Carlos Silva nas apresentações
O Armando Martins então usou de pose, uma melodiosa voz nas suas interpretações "fadísticas" maravilhosas... no inicio de cada fado eu sempre dizia algo ao Quim Martins - era assim: - tom? Sol dizia ela ( a guitarra) - e pronto bota para a frente....
Mas o Armando não veio só, afinal os combatentes tem filhos que são uma maravilha - é que o filho dele, sim senhor, para além de nos vir aturar a todos cantou o fado lindamente, tão bem que eu me vi "arrasca" para acompanhar ... mas foi bem...
E as máquinas de fotografar do Carmelita e do Jorge Teixeira não paravam de "bater chapa" (bom sentido), melhor tirar fotografia e mais outras máquinas que andaram para lá...Depois então entrou-se no fado de Coimbra onde o Zé Castro cantou e bem o que lhe apeteceu cantar...Um combatente está pronto para tudo - foi ronco, porque todos gostaram... e foi mesmo MANGA DE RONCO.
Gil, o rancho aprovou... continua a não marcar o meu lugar mas conta comigo....
E a TODOS OS TABANQUEIROS MELROS, obrigado pela recepção que fizeram - outra coisa não seria de esperar - e os Tabanqueiros mistos, como eu - maravilhosos estiveram a comer especialmente... Vamos descortinar agora onde andarão mais Tabancas por aqui perto dignas de visita - somos sempre assíduos cumprindo um velho ditado de juramento militar...
JURO E JURAREI QUE AO RANCHO E AO PRÉ NUNCA FALTAREI....
E cá vamos vivendo -
PARABÉNS CARLOS SILVA, TENS UMA TABANCA MUITO LINDA...
Um abraço
David Guimarães














quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

P13 - Informação, Aviso

3º Encontro dos ECUS's na Tabanca dos Melros

Carlos Silva
14:23 (10 horas atrás)
Amigos & Camaradas
Recebi este E-mail do nosso camarada que está preocupado em servir bem, mas que até hoje não tem uma previsão da malta que vai.
Assim, ficámos na sala de baixo, sala do meio ou sala de cima?
Telefonem para o rapaz. Não custa nada.

Vai haver um excelente programa de fados e guitarradas com "prata" da casa, no Sábado lá estarei e vou daqui da zona de Sintra.
Aproveitem estes salutares convívios. Um dia poderá ser tarde.
Ainda não recebi lista nenhuma da malta de Moçambique e de Angola, assim é difícil mobilizar a malta para o dia do Combatente de Gondomar a celebrar no dia 6/3 em Fânzeres.
Presumo que os nossos Camaradas já não se lembram daqueles que por lá ficaram.
Ainda se fala do Governo e com razão que nada faz pelos ex-combatentes, quando somos nós os primeiros a abandonar o barco.
Com um grande abraço amigo cá de Massamá
Carlos Silva